Ação

Tenho de admitir, falhei!

Por a 19 Agosto, 2018

Boa noite malta,

Aposto que este post vai ser o mais visto porque toda a gente gosta de ver os outros falhar ahahahha

Agora a sério, espero que a semana tenha sido melhor do que a minha, ainda estou a recuperar da constipação/amigdalite/otite/febre/mil coisas que nem sei o nome, mas hoje já estou rijo e pronto para voltar ao plano!

 

 

Bem, vamos lá ao assunto pelo qual abriste este link (lol), o falhanço. Todos nós falhamos na vida, uns falham e só depois descobrem a razão, e outros sabem o que precisam, falham, mas sempre souberam a razão.

Para quem está a descobrir coisas novas, falhar é normal, aliás, é óptimo, caso contrário não haveria crescimento e aprendizagem. Agora, para quem já falhou em algo muitas vezes, simplesmente porque não aprendeu com o erro, a isso chama-se “burrice”. E eu tenho sido um burro no que toca ao tabaco, fumo desde os meus 16 anos (como se percebe na imagem lol), e até aos meus 23 sempre gostei de fumar, claro que é viciante, mas aquele cigarrinho depois da refeição ou a acompanhar uma boa conversa e uma cervejinha no verão… No entanto, sempre soube do quanto é prejudicial para a saúde física e a “saúde da carteira”, e estes são os meus dois “porquês” para deixar de fumar, mas serão suficientemente fortes para me fazer largar este vicio?

Há 3 anos atrás, tomei uma decisão séria, liguei-me ao “dinheiro que perdia” diariamente, e consegui não fumar durante 7 meses, mas nessa altura tive uma situação pessoal complicada, e a tristeza leva a que voltes a fazer erros do passado sem pensar nas consequências. E aqui estou eu, aos dias de hoje, ainda a fumar…

 

 

A história deste falhanço foi simples, há 2 semanas atrás, iniciei o meu plano de 3 meses (http://www.empreendedorandrenave.pt/2018/07/20/plano-3-meses-loucura-vao-rijos/) e disse para mim próprio que ia aproveitar para tomar a decisão de deixar de fumar, uma vez que ia começar a fazer desporto e estava tão focado nos objetivos. Na realidade, tive os 6 primeiros dias e nem me lembrava de tabaco, no dia que larguei não senti necessidade alguma, a decisão era tão forte que se sobrepunha a qualquer necessidade do corpo, estava ao lado de fumadores, tomava cafés sem cigarro, depois das refeições era tudo tranquilo para mim, mas… fui a um jantar de despedida de um dos meus melhores amigos, e nessa noite caí na tentação de pedir um cigarro, aquele grupo era o meu hábito mais frequente de conversas e tabaco, fumei logo 4 (para compensar ahahaha)… Escusado será dizer que desde esse dia voltei ao ritmo de fumador antigo!

Incrível como faço tudo pelo meu futuro, por o que quero criar para a minha família, e depois em coisas pequenas pareço um amador, embora saiba a razão. Tenho um “porquê” muito alto para melhorar o meu futuro, já para largar o tabaco…

O resumo disto tudo é que me sinto mesmo chateado comigo próprio, porque sei que vacilei, nesta altura da vida o dinheiro gasto em tabaco já não é assim tão importante para mim, e esse sempre foi o maior peso que tive enquanto fumei , e sim eu sei que a saúde está em primeiro lugar, mas nunca senti isso como um “porquê” suficientemente forte para largar este vicio, por muitos casos clínicos de familia que existam (sei que sou anormal lol), para mim ter a carteira vazia sempre pesou mais, mas desta vez nenhuma das duas razões aguentou a decisão.

Por fim, já não fumo há 3 dias, mas porque estou doente e doí me os pulmões a fumar, mas vou aproveitar para continuar longe desse vicio.

 

Cuidado com as decisões malta,

 

Grande abraço

TAGS
RELATED POSTS

LEAVE A COMMENT

ANDRÉ NAVE
Lisboa, Portugal

André Nave, mais conhecido por “Nave”, jovem empreendedor, tem 25 anos, nasceu num seio familiar honesto e trabalhador, tímido, mas com objetivos e sonhos grandes. Finalizou a sua licenciatura de Comunicação e Marketing em 2014, onde trabalhava em cafés e call centers enquanto estudava, de seguida ingressou na sua área, no mercado tradicional, em empresas multinacionais, estava completamente iludido sobre o seu futuro de vida, tendo tomado uma decisão inequívoca de lutar pelos seus sonhos, utilizando a mentalidade empreendedora como veículo.